quarta-feira, 29 de abril de 2009

3 dias depois perguntaram-me

Onde estavas no 25 de Abril 1974?
Tinha 11 anos, não tinha consciência do que se passava no país e no mundo, não sabia o que era um regime opressor, não sabia o que era uma ditadura, tinha liberdade para brincar na rua, saltar à corda e ao elástico e isso bastava-me...

Lembro-me de a minha mãe ficar aflita porque o meu pai saiu para trabalhar e era melhor ficar tudo em casa a aguardar os acontecimentos, ouvia-se atentamente as noticias na rádio e na televisão, lá em casa murmurava-se o medo de uma guerra civil...tantas palavras que ouvia pela primeira vez...no entanto o medo rapidamente desapareceu e o entusiasmo foi crescendo, as imagens eram fortes e marcou-me a multidão que gritava -
" O povo está com o MFA, o povo está com o MFA" - estão a libertar os presos políticos, acabou a PIDE...viva a Liberdade! Tudo aquilo me parecia bom sem saber explicar porquê...

Mas afinal onde estava eu no dia 25 de Abril de 1974?
Estava deitada numa cama, com papeira...sentia-me mal! O maior susto até então, quando olhei para uma cara que não parecia a minha de inchada e transfigurada...e para cúmulo, outro murmúrio que se ouvia e ecoava na minha cabeça
"a nossa ninita já é mulherzinha!" - péssima maneira de ser mulher...inchada, feia... chorei! Logo eu que queria ser criança para sempre, e quando uns meses antes a minha mãezinha me explicou essas coisas de ser "mulherzinha" disse resoluta que não queria nada disso...

Revolução dos Cravos Vermelhos (até a cor dos cravos? parecia de propósito!!!) A minha revolução, inesquecível marco na minha vida, verdadeira revolução na minha cabeça!
Todos gritavam Liberdade...por uns tempos pensei que tinha perdido a minha...

8 comentários:

Gabriela... disse...

heheheheh
Eu ainda não era nascida... nem pensada!
Provavelmente a minha mãe ainda gosta-se de bicicletas e o meu pai de correr pelos montes a apedrejar os miúdos das aldeias vizinhas.
Ainda lhes vou perguntar que estavam a fazer no 25 de Abril.
Jinho

P.S. Também já tive papeira, odiei!

Kalonzinha♥ disse...

mais uma vez tive de trocas d eblog, a explicaçao ta aqui

http://kalonzinha.blogspot.com/

beijinhos, Danizitha

karoxinha disse...

eu ainda andava no mundo dos anjinhos... mas acho que os meus pais ja se conheciam... hihihihihi

bjinhos karinhosos
Karoxinha

ps... um ano bem vermelho para ti :S

APO (Bem-Trapilho) disse...

devem ter sido mesmo tempos incriveis. eu não passei por isso. sou filha da liberdade. esses "nervos" vivi-os na barriga da minha mãe, com o meu pai militar, "preso" no quartel.
bjo grande

Sandra disse...

Olá Albana!

Não pude deixar de sorrir ao ler o teu post.

O dia 25 de Abril de 1974, para ti, foi de facto um dia de mudança, mesmo a nível pessoal ...

a infância ficou para trás e uma boa "dose " de papeira, bom ...

além de tudo o resto que se vivia no país ... foi dose amiga :)

Inesquecível mesmo!

Eu não sei que fazia, tinha um ano e pouco, possivelmente estava a "melgar" o meu mano ... ehehehe

Beijo grandeeeeeeeeee e um excelente FDS prolongado ;0)

Paula C. disse...

Que engraçado o teu post. Eu tinha nove anos e lembro-me das mesmas coisas, brincar na rua, a nossa liberdade era isso, mas tenho bem presente aquele dia e os que se seguiram. Gosto da sensação de ter vivido aquele dia, é inesquecível!
Tento transmitir aos meus filhos, mas não é a mesma coisa, só quem viveu!

Beijinhos e bom fim-de-semana,

Paula

Pedro Barata disse...

Eu ainda não existia... Felizmente nunca tive papeira!
Beijinhos

Sandra disse...

Feliz Dia da Mãe!

1000 beijinhos